Comunique Erro

 
Nome:
E-mail:
Erro:
Fechar
Empresas amigas
Resultados de Exames

Consulta de resultados de exames

Área médica:
Resultados de Exames

Newsletter

Receba novidades da ACCG

Cotação On line

Faça sua cotação de forma rápida e prática em nosso sistema.

Fazer cotação
Licitações

Confira aqui as modalidades
que a ACCG oferece para licitações.

Notícias
Tamanho da Letra A- | A+

ACCG destaca importância de doação de sangue no tratamento oncológico

Destaque

Em comemoração ao Dia Mundial do Doador de Sangue, celebrado no último dia 14, durante todo o mês de junho o Hospital de Câncer Araújo Jorge (HAJ) esteve focado em ações de conscientização acerca da importância de manter abastecido o Banco de Sangue da unidade de saúde. O local é responsável por suprir toda a necessidade dos pacientes que, por conta da natureza da doença, recebem várias transfusões ao longo do tratamento. Das 160 pessoas atualmente internadas no hospital, por exemplo, estima-se que 45 façam uso diário de bolsas de sangue.

Como parte da campanha, batizada de Ligados Pelo Amor, foram entregues para os pacientes que estavam se consultando no HAJ, kits que continham uma máscara, um frasco de álcool gel e um pequeno convite para que a mensagem da doação de sangue fosse replicada entre familiares e amigos de quem luta contra o câncer. O presente foi montado com a ajuda do Setor de Desenvolvimento Institucional (SDI), que arrecadou doações de álcool gel e da Divisão de Voluntariado (DVL), que convocou mãos amigas e solidárias para confeccionar as máscaras de tecido.

A artesã Marlúcia Cortêz da Mota, 45 anos, participou da ação e destacou a importância de iniciativas do tipo para o sucesso do tratamento oncológico. “Além de focar na nossa saúde, com a doação da máscara e do álcool, a atividade também fez com que a gente se sentisse acolhido, protegido, amado. Pois o convite reforça o valor da doação para quem, assim como eu, sofre com a baixa imunidade”, disse.

Paciente do Setor de Ginecologia e Mama (SGM) desde fevereiro, onde trata um câncer de mama, ela ressalta o quanto é gratificante poder contribuir de alguma forma no processo de conscientização da população. “Nós, pacientes, somos impedidos de doar. Mas podemos fazer as vezes de porta-vozes desta causa, falando sobre ela com pessoas mais próximas e ajudando a criar uma rede do bem em prol de quem mais precisa”, defende, se referindo, por exemplo, a quase 90% das pessoas que passam pelo Setor de Hematologia e que precisa, em algum momento do tratamento, de transfusão sanguínea. “O câncer não tirou minha alegria de viver. Pelo contrário: para mim a doença é uma nova oportunidade e meu maior desejo é ajudar a quem está nesta mesma situação", conclui.

Veja Também